29 de janeiro de 2010

A Conspiração (ACREdite)

.
Pablo Sica tem seus motivos para desconfiar da existência do Acre, o mais isolado dos Estados brasileiros. No 1º Encontro de Twitteiros de Maringá, ele tocou no assunto e deu a impressão de realmente acreditar no que dizia. Falou em uma suposta conspiração para fazer o brasileiro crer que lá distante, mais perto do Peru e da Bolívia do que do restante do Brasil, em meio à Floresta Amazônica, há uma capital e tantas outras cidades. Duas doses de café alcoólico mais tarde, foi além: mencionou algum envolvimento da Rede Globo, que teria com o Acre uma ligação semelhante à da Iniciativa Dharma com a Ilha de Lost.

Alguns dos twitteiros do Grupo dos Nove (G9, como ficaram conhecidos os nove participantes do primeiro encontro) se entreolharam, como se dissessem: "que diabos colocaram no café dele?" No encontro – combinado no Twitter, claro –, mais de 20 confirmaram presença, mas só oito deles cumpriram com a palavra. Pablo, porém, foi o único que compareceu sem anúncio prévio. Marcou presença porque era em Maringá, em chão conhecido. Fosse no Acre, não iria.

No G9 do Twitter maringaense, a maioria é jornalista. Um deles, atiçado pela curiosidade inerente à profissão, marcou um café com Pablo no mesmo shopping do encontro anterior, na mesma livraria. Somente os dois – esposa de um viajando e a namorada do outro, também –, e uma tarde inteira pela frente. Não demorou para Pablo falar da conspiração.

O jornalista aproveitou para fazer muitas perguntas, mas nem em todas obteve respostas. "Há coisas que um incauto talvez não deva saber", cogitou, em pensamento, o jornalista. "Há coisas que é melhor que um jornalista não saiba; não num primeiro momento", deve ter pensado Pablo. O lance de o Acre não existir, ao menos não da forma como ensinam os livros escolares, era inquietante, mas não tanto quanto a participação da Dharma, ou melhor, da TV Globo na dita conspiração. Difícil imaginar que alguém ACREditasse nisso.

Para ser mais convincente, Pablo relatou passagens vividas por dois de seus amigos. Um, das Forças Armadas, havia sido convocado para uma missão no Acre. Outro, voluntário em um clube de futebol do Mato Grosso, acompanharia o time num amistoso em Rio Branco. Antes, ambos não acreditavam na conspiração, agora, ambos já não têm tanta certeza.

 Fui relacionado para uma missão no Acre, no mês que vem  comentou o amigo de Pablo, do Exército, por telefone.
 Pode esquecer. Se minha teoria está certa, vão cancelar a missão.
 Por que cancelariam?
 Porque o Acre não existe  afirmou Pablo, que, no mês seguinte recebeu novo telefonema:
 Meu amigo, estou assustado  disse o militar.  Cancelaram a missão no Acre e nem explicaram o motivo.
 Não te avisei. Qual a explicação para o Acre, que faz fronteira com dois países, ser o único Estado brasileiro sem base aérea  disse Pablo, mais cheio de razão do que nunca.

Outra vez, contou Pablo ao jornalista, um de seus amigos acompanhou um time de Mato Grosso em um amistoso que se daria em Rio Branco. No avião, tão logo o piloto anunciou o procedimento de pouso na capital do Estado, as aeromoças se apressaram em fechar as 'cortinas'. "É um procedimento padrão", diziam, "fechem logo".

 O que houve, por que não pousamos no aeroporto?  questionou o amigo de Pablo, assim como alguns jogadores.
 Tivemos um problema com a torre de comando. Vamos, há um ônibus esperando por vocês  disse o encarregado da recepção da delegação mato-grossense. O que aconteceu dali em diante, conforme relatou o amigo de Pablo, foi surreal.

 Fomos levados a um campo de futebol em um ônibus com vidros escuros. Mal dava para ver do lado de fora. Quando descemos no estádio, a poucas horas da partida, não vimos torcedor algum  relatou.  Vi ali um varredor de rua e perguntei a ele para que lado ficava a cidade. Sem dar uma palavra, o varredor, de macacão cinza, deu-me as costas e continuou varrendo.

Inquieto e irritado, pela falta de respeito do gari, o amigo de Pablo insistiu. Aproximou-se e, ao tocar o ombro do varredor, disse:

 Você pode me responder para que lado fica a cidade?  insistiu. O gari se virou, fitou nos olhos o mato-grossense, que, ao reparar o logotipo da Rede Globo no bolso do uniforme daquele senhor, ficou perplexo e, até deixar o Acre logo após o jogo, não tornou a abrir a boca. Sentiu medo. Existiria, de fato, a uma conspiração envolvendo o Acre? Correria ele algum risco? Por que eles não foram levados para visitar a cidade? De qualquer forma, para o amigo, Pablo já não parecia tão insano quanto antes.

Regada a um bom café com torta de limão, a conversa prosseguia sem pressa, na cafeteria do shopping. O jornalista não se dava por convencido, até porque ele não conhecia os dois amigos de Pablo. Conhecia, sim, uma ex-colega de faculdade que, dias depois da colação de grau, mudou-se de "mala e cuia" para Rio Branco.

 Tenho uma amiga que mora em Rio Branco há cinco anos. Se formou em Jornalismo comigo e hoje dá aulas na Universidade Federal do Acre. O que você me diz disso?  perguntou a Pablo, em tom de confronto.

 Depois que essa tua amiga foi para lá, você a encontrou novamente, falou com ela?
 Sim, conversamos com alguma frequência pelo MSN. Ela diz estar feliz por lá.
 Ok, MSN. Mas você a viu pessoalmente depois que ela foi para o Acre.
 Não.
 Algum de teus colegas de faculdade a viu?
 Não que eu saiba.
 Ela já retornou de lá para visitar os amigos?
 Não! – e a essa altura o Jornalista já começava a temer pela colega.
 Algum conhecido já foi visitá-la e voltou para contar história?
 Acho que ninguém foi visitá-la.
 Até que alguém faça isso, e prove, lamento te dizer: talvez vocês não vejam mais essa amiga.

O gole seguinte de café teve sabor de suspense, um misto de pavor e medo. Segundo Pablo, a colega de Jornalismo não corria risco de morte, mas, por algum motivo que ele mesmo desconhecia, jamais retornaria do Acre. Mistérios da conspiração. Talvez ela também estivesse usando macacão ou jaleco com logotipo da Globo.

 Ela me convidou para ir visitá-la  comentou o jornalista.
 Eu não iria – disse Pablo.  Estão querendo te recrutar, é assim que funciona.
 E se de fato houver algum mistério por trás do Acre e eu for vê-la?
 Aí não tornaríamos a vê-lo, infelizmente.
 E os heróis do Acre, como Plácido de Castro e Chico Mendes, o que você me diz deles?
 São personagens dos livros escolares. E faz tempo que não acredito mais na versão oficial que nos ensinam sobre o Acre.
 Quer saber, vou visitar minha colega no Acre, mas só se ela vir de lá antes.
 Nem assim eu iria  exclamou Pablo.  Terminou o café?
 Sim.
 Garçom, a conta por favor.

Publicado também em: Mais1Livro.com

Translation into English
.

22 comentários:

Diniz Neto disse...

Vamos ter que fazer um encontro de twiteiros investigativos no ACRE. Não vai ter jeito. Câmbio. Desligo...

PSica disse...

Caraca! Me matei de rir, ficou muito bom. Para quem saber mais ou acrescentar informação para essa teoria insana, ou não, @pablosica

Anônimo disse...

Esse seu amigo não acredita mesmo na existencia do Acre....Será que algum dia ele muda de idéia?
Adorei a crônica.

Silvia.

Aleta Dreves disse...

risos, mas o acre existe já fizemos dois ETC_AC via twitter e o gelson veio para cá e eu já fui diversas vezes para pato branco risos, quem sabe vc não aparece aqui para prestigiar o intercom norte 2010 que será no Acre

Octávio Rossi disse...

Salve LF Cardoso, tudo bom?
Então cara, casei no civil, sexta-feira, dia 29.
Diante de Deus será no final de fevereiro.
Qualquer dia passo na redação te dar um abraço.
Valeu.

brenda disse...

cara, eu, como tia de uma acreana nascida em Rio Branco, to rindo loucamente!

não que eu tenha plena convicção de que o acre existe, não é isso - como Pablo, ACREdito que meu irmão foi morar num território estranho que disseram a ele ser o Acre.. mas os garis com o simbolo da globo no uniforme foram muito além da minha imaginação!

Brenda Caramaschi

LF Cardoso disse...

Fico muito grato pelos elogios. Avalio esta como uma de minhas cinco melhores crônicas. Tentei, desta vez, dar ao diálogo um tom de informalidade, procurando manter alguma fidelidade ao diálogo ocorrido de fato.

PSica, que deixou seu comentário, é o protagonista. Aleta Dreves, que também pintou na área, é a amiga que foi para o Acre e nunca mais voltou. E Brenda é a prendada repórter de TV que há algum tempo não deixava sua marca no blog.

E todos sintam-se convidados para o 2º Encontro de Twitteiros, na livraria do Shopping Maringá Park, dia 6 de fevereiro, às 15 horas.

Andrea disse...

vishiiiiii!!! uma das minhas melhores amigas, que é daqui da região, mas bem novinha foi para Cacoal, Rondônia, mora atualmente no Acre. Quando nos conhecemos aqui em Maringá ela tinha recém-chegado de lá... Fiquei um tempo sem ter contato com ela, até descobrir que ela tinha voltado para o Acre... tudo isso me leva a dizer que ACREdito na existência do estado, mas nunca tive vontade de conhecê-lo rs. Agora então, muito menos... rs.
Excelente texto amigo.

Luana Caroline disse...

Caramba, que história, hein!

Tem gente que deixa a imaginação fluir e vai longe... (caso do tal Pablo Sica). Ficou SUPER ENGRAÇADO!

Muito bom de ler este texto, você deveria publicar um livro com todas as suas crônicas.

Por falar nisso, cadê aqueles manuscritos que iam sair??

Abraços, sucesso!

:)

tais ac filha do rei disse...

primo como sempre tuas cronicas sao muito boas elas sao feitas para quem gosdta de ler e eu vc sabe gosto muito
e gosto mais ainda de tuas cronicas.
esse pablo me deichou com medo de ir para o ACRE ACREdite.

Nêssa disse...

como disse ao nosso amigo LF, amei! soltei até um leve riso, porém alto, em pleno trabalho! rs me prendeu tanto qnto lost, serie pela qual sou fascinada! não pensa que foi pela conexão, simplesmente pela forma como vc trabalhou o dialogo, as informações. Vou encaminhar pra @flavialivero pelo twitter, amiga de infância que se formou com a gte, alias c/ boa parte dos integrantes do G9, e morou um bom tempo no ACREdite! Será que ela pode confirmar a existência, ou quem sabe ela não fugiu da conspiração e nunca nos contou rsrs

Flávia Lívero Torres disse...

Gente, que sarro!
Não dá pra acreditar que as pessoas conseguem ACREditar que o Acre não existe!
Confiem em mim, o ACRE EXISTE SIM! Morei lá por alguns anos e confesso que foi uma das melhores experiências da minha vida. Pode ter certeza que o que mais se encontra por lá é o calor humano.
Ah, e eu posso provar. Fiz meu RG na época em que morei lá, e está em destaque: ESTADO DO ACRE.
Me orgulho de ser ACREANA de coração.

@joaocoliveira disse...



É claro que o ACRE existe. É lá onde vivem Curupira e Boi-Tata e o Papai Noel tem sua casa de veraneio.

Os garis da Globo/Dharma são os mesmos que limpam a sapucaí e dançam no carnaval... os laranjinhas. ACREdite!

LF Cardoso disse...

Nenhuma crônica, antes, tivera tantos bons comentários em tão pouco tempo. Que satisfação!

Andréa, acho que tua amiga voltou do Acre para recrutar mais gente para o Estado-além. A Flávia foi a primeira que já morou lá a dar as caras por aqui... só faltam provas para a galera que não ACREdita (risos).

Agradeço também pelos elogios a amiga jornalista Nêssa, a cunhada Luana, a prima Taís e o irmão João Paulo. Este viajou tanto quanto a crônica!

Confiram também "A Parábola do Velho Boi"

PSica disse...

Acho uma graça todos os comentários. Mas quero ver levar as provas no dia 6!
Em plena Campus Party, maior evento da internet mundial, enquanto lia o texto acima, quem me surge, ali, logo a minha frente. A ministra Marina Silva, uma acreana de Rio Branco. Tirei fotos, claro.
E vcs que acham que conhecem o Acre, A Globo está até o pescoço nisso. Eles simulam/emulam a realidade, naquele grande centro noveleiro o ProjACRE.

Cuidado, não é mais uma teoria da conspiração, e sim, fatos, reais e perigosos.

ps. Eu não sou louco! o.O

rural2004 disse...

Sensacional a crônica. Sou twiteira também, mas não pude comparecer ao encontro. Acho que perdi muito mais do que imaginei. P.Sica, precisamos conversar mais..... Faço votos que os outros participantes do encontro estejam mais tranquilos neste momento.
Parabéns pela cronica. Morri de rir.

Com medo disse...

Os primeiros cavaleiros templarios são acreanos. Muitas teorias compiratórias são produzidas no Acre, como quando o homem foi a lua, na verdade foram a um lugar muito mais longe: ACRE!
Alguem já viu algum time de futebol doi Acre? algum prato típico do Acre? algum alimento produzido no Acre? Algum produto Made in Acre? alguma estatistica populacional do Acre? Alguem famoso vindo do Acre? (Chico Mendes e Marina Silva são farçantes) Miss Acre tem? Dança Típica do Acre?... Não existe nada disso... mas paremos de refletir sobre isso e não cutuquem na ferida, podemos todos estar em risco por querer saber demais...

PSica disse...

como o estado paga suas contas públicas? Não existem indústrias por lá. Ou eles vivem de chocolates Umpa Lumpa?

Yngrid disse...

hauahauhauahah li essa do Acre, e olha adorei! Fiqei curiosa... o que a existência do Acre tem de importante em minha vida? Se ele não existir, o que pode acontecer? :P tipo, nada?

Se bem que aqui é uma gaúcha falando: o resto do País não importa muito desde que o Rio Grande do Sul continue lá, e do mesmo tamanho!! auaauhau

bju Mocotó

(via Orkut)

Sharif disse...

kkkkkkkkkkk;
Muiito booom, twittera acriana desliga.
Esse povo nao tem mais oq fazer;

Camila disse...

O ACRE existe siim ..

kkkkkkkkkkk;
Muiito bom, twittera acriana desliga.
Esse povo nao tem mais oq fazer mesmo

Lucas Amorim disse...

Amei a crônica, mas eu acho que o Acre existe, me disseram que eu nasci lá! rsrs Saudades.

Quem está na cola do LF