31 de agosto de 2011

O aumento de vereadores e a colegial gostosa

.
Em maio do ano que antecede as eleições, enquete qualificada do jornal O Diário revelou que 60% dos 15 vereadores maringaenses queriam ter o maior número possível de colegas na Câmara Municipal. Só dois deles falavam na permanência em 15. Semanas se passaram e, diante de turbulências – leia-se, pressão da sociedade civil organizada – o porcentual favorável a 23 vereadores caiu abaixo de 40%.

Ao entrevistá-los, nas sessões ordinárias, podia apostar que a maioria deles (talvez todos eles) deitavam a cabeça no travesseiro sonhando com 23, mas, temendo a perda de votos, contava apenas "15 carneirinhos". Há de se considerar que político de verdade, no Brasil, não fala a verdade sempre.

Situação que me faz recordar dos tempos de adolescente, no Colégio La Salle de Pato Branco. Aos 15 anos, meus colegas espinhentos e eu, o mais espinhento deles, sonhávamos pegar a garota mais gostosa da turma, mas, temendo levar um fora, a coragem (ou a falta dela) só nos permitia flertar com as meninas de modesta beleza – para ser politicamente correto.

Os vereadores não são muito diferentes daquilo. Respeitadas as devidas proporções, são tão covardes quanto garotos – espinhentos, virgens e sem namorada – de 15 anos. Fossem corajosos, bateriam no peito estufado e gritariam 23 sem medo de ser feliz e, eventualmente, de levar um fora (digo, perder votos).

Na prática só um dos edis, autodenominado "cabra macho de saco roxo", fez isso. E bastou o vereador John tomar coragem e protocolar proposta em favor do aumento para parte da turma dos 15 "sair do armário". Nove apoiaram a proposta, que precisava apenas de cinco assinaturas para tramitar.

Posso até imaginar os vereadores de Maringá como se tivessem 15 anos, com seus uniformes de estudante ao invés dos paletós das sessões. John mataria aula para cantar a menina mais gostosa no corredor e os demais, doidinhos para fazer o mesmo, porém, com medo de tomar uma advertência, dedariam o agarra-agarra à diretora do colégio.

Se no íntimo existe algum vereador que deseja manter o número de cadeiras em 15, sem demagogia, peço perdão pela brincadeira. Essa rara exceção faria valer a vontade do povo, que não quer mais vereadores e, sim, mais empenho do Legislativo no cumprimento de suas atribuições, entre elas a fiscalização do poder executivo. Alunos que matam aula, normalmente, não levam as coisas a sério.
.
Crônica inspirada em artigo publicado em O Diario.
.

Quem está na cola do LF