21 de abril de 2009

Sensação na calada da noite

.
O que Sensação faz quando está acompanhada, entre quatro paredes, ninguém fica sabendo - a não ser que a companhia seja de uma turma de amigos. Na véspera do feriado, certa altura da madrugada, o porteiro bateu à porta para avisar que alguns vizinhos estavam reclamando dos decibéis acima da conta. A sexta-feira, todos ali sabiam, era santa, mas ninguém disse que precisava ser silenciosa.

A protagonista da vez é uma mulher bem resolvida. Pouco mais de 30 anos, morena de pele clara, alta e magra, Sensação tem um bom emprego, carro e apartamento próprio, enfim, paga suas contas. Não é casada e, dizem os amigos, melhor que seja assim - do contrário, temem perder uma grande companhia. Enquanto ela não engata um namoro firme, aproveita a vida de solteira para receber em sua ultra-bem-ajeitada residência os amigos e amigas mais "vips" (como ela bem diz).

A primeira a chegar foi Diliça, a autoestima em pessoa, que surgiu acompanhada de Fanta Uva e Mortal. Ele trouxe vinho e Fanta Uva, uma fome de leão. Platini e sua noiva Rafaella também não demoraram a chegar, com um engradado de cerveja e dois pacotinhos de amendoim. "Convidei o Zidane, será que ligo para ele", questionou Sensação, pouco antes da meia-noite, toda preocupada com uma possível ausência do "craque francês". Diliça e Mortal se olharam, numa fração telepática de segundo, como se tivessem em mente a mesma sentença: "quanto interesse no Zidane, aí tem coisa hein".

Zidane surgiu, mais careca do que nunca, porém, com a mesma boa forma dos tempos de Copa do Mundo. Certamente, ganhou alguns pontinhos com a anfitriã da noite. Sensação é uma mulher doce, de lida fácil, mas tende a sofrer alterações bruscas de humor quando seus amigos aceitam o convite e, depois, não comparecem. Foi o caso de OFFíssima, O Cara e Lois Lane. Esta, do alto de sua aguçada esperteza, enviou uma suculenta torta salgada para compensar a ausência e, assim, garantir mais alguns anos de vida. OFFíssima e O Cara agendaram outros compromissos e, infelizmente, a uma altura dessas já devem ter perdido o pescoço.

No calar da noite, o apartamento de Sensação era um alto-falante. Diliça dizia que precisava encontrar o botão do volume de Mortal e Platini, mas era ela quem tagarelava mais alto. Bebendo vinho ou cerveja, comendo amendoim ou torta, todos riam, todos falavam, todos contavam um causo engraçado, todos choravam (claro, de tanto rir).

Já pelas tantas da madrugada, Platini, o exagero-man em pessoa, relatava algumas de suas mirabolantes histórias, quase todas desmentidas ou diminuídas por Rafaella. Verdade ou mentira, ele garantia à galera gargalhadas de fazer faltar fôlego. Platini não é o cara, mas, quatro garrafas de vinho depois, todos o achavam o mais divertido, todos precisavam respirar fundo ao fim de cada "piada".

O ápice do show amador de humor ainda estava por vir. Não se sabe por que, Sensação resolveu mostrar ao pessoal um presente indiscreto que havia ganhado dias antes: uma caixa de bombons proveniente de um sex shop. O único chocolate que sobrara na caixa foi, num piscar de olhos, arrebatado por Platini. De repente, estava ele com o pinto de chocolate na mão, todo faceiro, apontando o "trubisco" para Zidane. Aí sim, faltou fôlego.

Sem sucesso, Rafaella insistia: "larga esse negócio aí". Platini segurava o "negócio" como ser fosse uma pistola, bem mirada contra Zidane, que por sua vez disfarçava o sorriso - não queria que percebessem que estava gostando da cena. Mortal procurava, urgentemente, uma máquina fotográfica para registrar o momento. Diliça foi flagrada pelas lentes de tal modo que seu pensamento parecia legendado: "esse eu pegava!". Sensação e Fanta Uva se esforçavam, em vão, para conter a barulheira generalizada.

Já era passado das 4 horas quando, com alguma insistência, Platini se decidiu pelo desarmamento. E só o fez porque a pistola começara a se derreter na mão dele. Isso tudo, e muito mais, ficou documentado em fotos, para a posteridade, para que os netos de cada um possam ver - muito lá no futuro - o quanto bacanas eram seus avós. Pena que as imagens, que dizem valer por mil palavras, não consigam guardar o som daquelas boas e intermináveis risadas. Todos se divertiram muito, exceto os vizinhos.
.

8 comentários:

Anônimo disse...

Enfim, sou protagonista do Blog do LF...! O duro é ser protagonista e não se identificar ou pelo menos dar pistas de quem sou, já que fui identificada como Sensação. Mas, olha só, o que eu faço quando estou entre quatro paredes??? Diagramando, é claro!!! Páginas e páginas de revistas, livros, jornais... hehehe. Adoro demais esses novos amigos, pessoas super do bem, e sempre comento, que bom que estamos conectados neste momento de nossas vidas. Eu sempre penso que foram acontecimentos na minha vida, da Diliça e do Mortal que fizeram com que a gente se “encontrasse” nesse momento único de nossas vidas! E claro, os outros vips, também fazem parte desse círculo saudável. Até os ausentes, né OFFíssima????... Bom, vou vivendo assim minha vida de solteira, como você mesmo disse, e não posso reclamar, tá bom demais! Mas mesmo se isso mudar, espero que mude, (gargalhadas consecutivas!!!) minha casa sempre estará aberta aos vips!!! Aqueles de sangue bom!!! E aguardem, novos eventos badalados, pra gente deixar os vizinhos morrendo de vontade, estão programados para este ano!!!! Valeu LF pela excelente crônica. Você conseguiu novamente se superar... se é que isso seja possível!

Anônimo disse...

Essa noite foi muiiiito boa mesmo. Ah, só para constar, o Platini continua igual a um vidro....hauhauhauhauah
Adorei a crônica
Beijos
"Rafaella"

Octávio Rossi disse...

Parece que consigo ouvir os estalares dos amendoins "joãoponeis" nas bocarras desse povo.
Convivi por pouco tempo com os personagens da crônica. Apesar do pouco tempo juntos, consegui sacar várias variações variadas de coisas que acrescentaram ao meu ser!
Das figuras no texto, se não estiver enganado, a "Diliça" eu conheço há um bom tempo.
Enfim, a todos, meu sincero, afetuoso, apertado e cabeçudo abraço por trás.

lois lane disse...

ah, ah, ah...falem bem e falem de mim..
quer dizer que ganhei pontos com a torta? se preparar o caldo verde com a ajuda da minha mãe, então, vou ganhar a eternidade!
senti não ter participado da bagunça com vocês, adoraria ter zoado os vizinhos, mas tive que acompanhar amados parentes em foz do iguaçu...que sacrifício...
beijos, parabéns pelo texto.
ficou do senhor canário!

Luana Caroline disse...

tomara que na semana que vem tenha um texto divertido sobre a visita da sua família a Maringá!!!

hehehehe

abraço, até :)

Vinicus disse...

Nota: 6

Vinicius Carvalho

Thiago Ramari disse...

Nota: 6,5

Thiago Ramari (por email)

Juliana Daibert disse...

Nota: 7,5

Juliana Daibert (por email)

Quem está na cola do LF